“As palavras agradáveis são como um favo de mel, são doces para a alma e revigoram a saúde e a alegria de viver.”

(Provérbios 16:24)

.

Palavras machucam. Não é preciso ser especialista em comunicação ou relacionamento para saber que boa parte das feridas, problemas e desgastes sofridos numa relação provém de palavras ruins ou mal ditas.

Pais e filhos, marido e mulher, nora e sogra, amizades, colegas de trabalho… todas as relações exigem palavras. De um “bom dia” a uma longa conversa sobre um problema ou assunto delicado, a forma como nos expressamos e as palavras que escolhemos podem estremecer e até mesmo destruir uma relação, ainda que haja muito amor envolvido.

Nossas palavras tem poder! O que sai da nossa boca pode abençoar ou amaldiçoar, trazer cura ou abrir feridas, causar riso ou levar às lágrimas, animar ou desanimar. O que falamos pode mudar o dia, a autoestima e o humor das pessoas, sejam elas da nossa intimidade, a secretária do seu médico ou o motorista do ônibus que você pega todo dia!

A respeito disso, muitos são os textos bíblicos que advertem sobre o poder da língua e das palavras, mas para hoje escolhi somente o de Provérbios 16:24, que gosto muito: “As palavras agradáveis são como um favo de mel, são doces para a alma e revigoram a saúde e a alegria de viver”.

Que coisa maravilhosa!!! Podemos gerar vida, alegria e saúde com aquilo que sai de nossa boca!!! Uma reação gentil a uma resposta grosseira ou um desejar um bom dia a alguém na rua pode gerar efeitos que sequer imaginamos!!!

Palavras boas ou ruins, a escolha é unicamente nossa. É bem certo que por vezes falamos da boca pra fora, no calor das emoções, reagindo a uma grosseria ou ofensa… ainda assim, cabe a nós escolhermos a resposta. São 3 opções: 1 – devolver na mesma moeda; 2- responder de forma branda, gentil, educada e sábia ou  3-responder com o silêncio.

Semana passada recebi um texto que ilustra muito bem o poder da palavra:

.

“O diretor de uma empresa gritou com seu gerente porque estava irritadíssimo.

O gerente, chegando em casa, gritou com a esposa, acusando-a de gastar demais.

A esposa, nervosa, gritou com a empregada, que acabou deixando um prato cair no chão.

A empregada chutou o cachorrinho no qual tropeçara enquanto limpava os cacos de vidro.

O cachorrinho saiu correndo de casa e mordeu uma senhora quepassava pela rua.

Essa senhora foi à farmácia para fazer um curativo e tomar uma vacina. Ela gritou com o farmacêutico porque a vacina doeu ao ser aplicada.

O farmacêutico, ao chegar em casa, gritou com a esposa porque o jantar não estava do seu agrado.

Sua esposa afagou seus cabelos e o beijou, dizendo: Querido! Prometo que amanhã farei seu prato favorito. Você trabalha muito. Está cansado e precisa de uma boa noite de sono. Vou trocar os lençóis da nossa cama por outros limpinhos e cheirosos para que durma tranqüilo. Amanhã você vai se sentir melhor. Retirou-se e deixou-o sozinho com seus pensamentos.”
.

A esposa do farmacêutico quebrou um ciclo. Ela poderia ter respondido o marido à altura e começado uma discussão. A noite poderia ter acabado em um clima chato, de discórdia e ofensas… poderia até ter sobrado para os filhos, mas ela escolheu, sabiamente, reagir com palavras agradáveis, doces como um favo de mel.

Confesso que nem sempre sou boa com as palavras. As vezes estou com a razão, mas me expresso mal. Sabem aquela história de que não é o que você fala, mas a maneira como fala?! Então. Tem vezes que a sabedoria passa longe e eu falo a coisa certa, do jeito errado! Sem contar as vezes em que estou errada e mesmo assim disparo palavras afiadas feito uma metralhadora!

Calar ou falar com sabedoria exige amor ao próximo, domínio próprio, sabedoria e humildade. Não é fácil, mas tenho me superado. E se eu, que sou cabeça dura e estopim curto, consigo, tenho certeza de que vocês também conseguem!

DESAFIO DA SEMANA: responder com palavras agradáveis, ainda que nos digam coisas desagradáveis!!!

Beijão da Katy!

Katy Madame Amélia